domingo, 31 de março de 2013

Ouviste?

Ouviste a chuva lá fora, de noite? Sentiste cada gota a embater na janela, desfeita? Ouviste cada gota a cair, uma depois da outra, vinda de longe, a quebrar o silêncio da tua noite? Sentiste o calor que o som da chuva provocou, a escorrer no chão lá fora enquanto tu estavas a tentar adormecer? E quando pensavas que tinha parado, sentiste o arrepio na espinha quando as gotas, desfeitas, foram ao encontro da tua janela? Ou não ouviste a chuva lá fora? Estarias demasiado absorto nos teus pensamentos e ilusões para a ouvir?
Eu ouvi. Gota por gota, a cair, todas de seguida, a fazer um barulho frio, mas reconfortante. Embalaram a minha noite. Ouvi todas as gotas. Uma por uma. Foi o início da minha primavera.




Post it


quinta-feira, 28 de março de 2013

Chegou a Primavera

Pode não parecer, mas pelo menos neste blog a primavera acabou de chegar (com algum atraso, mas chegou), e para ficar. A chuva que se dane, que vá dar uma grande volta. Cá estaremos nós, a improvisar uns belos dias de sol, mesmo que eles teimem em não aparecer. E as boas novidades também vêm a caminho 


segunda-feira, 18 de março de 2013

Só queria

Só queria poder desligar-me do mundo, da correria constante, dos gritos, dos barulhos, do pó, das dores, das mil coisas que tenho para fazer. Só queria fechar os olhos e sentir o que não tenho espaço nem tempo para sentir, poder parar por cinco minutos como faço quando leio uma página de um livro que gosto muito. Só queria cinco minutos. Só. Respirar fundo. Inspirar. Expirar. Não pensar em nada, afastar tudo para bem longe de mim. E então aí sim, voltava. Para o meu tumultuoso dia-a-dia.

domingo, 17 de março de 2013

Menos um na lista

Depois de uma semana daquelas de arrancar cabelos, cansativa que só ela, cheia de trabalho e aulas extra, nada melhor que terminar com as ideias todas organizadas, trabalhos orientados, uma massagem de velas relaxante como nunca pensei ser possível, e malas feitas para partir rumo a uma das minhas cidades preferidas, e a uns dos países mais expressivos e apaixonantes de sempre. Guardo o muito que ainda tenho por fazer numa gaveta, pendente, porque está na hora de ir conhecer o novo Papa. Prometo trazer muitas fotografias, uma boa história para contar e muitas, muuuitas boas memórias. 
See you soon 


quinta-feira, 14 de março de 2013

Hurt

Fui ensinada a valorizar tudo o que tenho e sempre tive, a apreciar todos aqueles que tenho junto a mim. Foi assim que aprendi em casa, na escola, na catequese, com amigos, com outros não tão amigos. Mas aprendi. Mas há dias e dias, e em muitos deles desprezei muito daquilo que me faz verdadeiramente feliz, ignorei o conforto que algumas pessoas me davam, recusei, pura e simplesmente, oportunidades para dar ao tempo o seu devido valor. E foram muitas as vezes que, infelizmente, percebi o quão errada estava, e como o tempo era fugaz, e que se não aproveitasse como devia, quem ficava a perder era eu.
Não sei se será da idade, das experiências, de todos os que perdi ao longo deste duro caminho, mas o que é certo é que aprendi a gerir tudo de uma maneira diferente, de uma maneira que me permitisse usufruir das pequenas coisas, mesmo as mais insignificantes, porque às vezes é tudo o que temos. Não espero por oportunidades especiais para dizer o que está certo e não ignoro, de todo, coisas que me perturbem e me tornem ainda mais confusa. Encaro tudo de frente, o bom e o mau. Mas a perda, continuo sem conseguir vivê-la da forma como queria, ou como seria suposto viver, do meu ponto de vista. De uma dia para o outro, o que é, deixa de ser, o que está, deixa de estar. E ficamos nós, meios abalados e suspensos neste mundo, abatidos com a realidade que foge de nós como se não a conseguíssemos alcançar na nossa corrida diária. E é duro. É duro olhar para ontem, ver que estava tudo bem e que hoje aquilo que conhecemos deu uma volta de trezentos e sessenta graus, vezes dois, mas não ficou no mesmo lugar. Tenho medo, um medo terrível da perda daquilo que me é mais querido. E ultimamente, não sei se pelo contacto mais presente desta realidade, tenho dado o devido valor a quem o merece, e nunca mas nunca me esqueço de dizer ou demonstrar o que sinto por quem está comigo. Muitas vezes sai da boca para fora porque parece pertinente, mas a vida são mesmo só dois dias. E temos que dar tudo de nós, sermos tudo o que queremos, vivermos o sonho. Porque amanhã... who knows about tomorrow.

quinta-feira, 7 de março de 2013

terça-feira, 5 de março de 2013

Podia ter ficado surpreendida, mas não. Já seria de esperar que o passado voltasse a irromper no teu dia-a-dia, como sempre quiseste. Portanto para quê fingir que é tudo uma grande novidade? Mais vale aproveitar porque nada dura para sempre. 


segunda-feira, 4 de março de 2013

Give everything

Começa o mês de Março e com ele um avalanche de trabalhos, metidos uns atrás dos outros, semanas com poucos minutos para respirar fundo, com umas férias metidas pelo meio que não vão saber a nada. Mas vendo bem as coisas, é menos um mês de contagem até às férias. Manter o lema de que é para fazer tudo e bem feito, para o verão chegar mais rápido, que faz muita falta.

sexta-feira, 1 de março de 2013

Dos desafios

De todos os cantos do mundo, trouxe aquilo que me pertencia. Procurei e cravei na alma as memórias de uma vida. O cheiro, o mar salgado, a procura pela liberdade, os pés descalços na areia quente. Perdi-me nessa vontade insaciável de ir mais além, mais longe de mim mesma. Sobrava o mundo, e dele, queria tudo. A luz, o medo, a cor, o frio da brisa de quem vive livre. Tudo o que tinha fugido do céu.

Venha ele

Um dos melhores meses do ano